Grupo Ambientalista Nascentes

Postado por ganaorg Comentários desativados
A primeira noção que se deve ter é que as áreas cultivadas pelo homem não estão isoladas do restante da natureza, havendo uma estreita relação de interdependência. A destruição ambiental de uma região pode trazer e com certeza traz, sérios prejuízos econômicos para o agricultor ou pecuarista, podendo até inviabilizar a atividade.
 
É preciso perceber que onde existem florestas próximas, o controle de pragas na agropecuária é mais facilitado. Isto acontece porque muitos animais que servem para controlar as pragas, como morcegos, tamanduás, tatus, pássaros insetívoros, vespas, etc., apesar de viverem nas florestas, saem das mesmas à procura de alimentos, indo comer justamente as pragas que se encontram nas lavouras ou criações mantidas pelo homem. Na verdade é um serviço gratuito que estes animais prestam ao ser humano e, apesar disso, são constantemente caçados e as florestas ao redor dos pastos e cultivos são destruídas.
 
Deve ser destacado ainda que havendo a destruição das florestas, muitas pragas podem surgir devido à falta dos inimigos naturais (os predadores). Assim é que em determinadas regiões do nosso País, algumas pombas e rolinhas passaram a ser consideradas pragas, pois os seus predadores, como os gaviões, corujas, cobras, etc., haviam sido eliminados.
 
A pior ameaça porém, está nos insetos, fungos e bactérias, já que são em muito maior número e mais difíceis de controlar. Estes animais são especializados em se alimentar de determinada planta na floresta. Quando a mata é destruída, muitos desses animais morrem e outros que sobrevivem procuram comer o que encontram pela frente, vindo a atacar as plantações e pastos feitos pelo homem. Com isso o agricultor ou fazendeiro terá que gastar muito dinheiro comprando agrotóxicos das empresas multinacionais que dominam o mercado e, como conseqüência, poluem os rios e lençóis freáticos, causando, por fim, intoxicação nos próprios trabalhadores rurais que, normalmente, não sabem manusear os agrotóxicos.
 
Finalmente, a floresta também é importante para a produtividade de um cultivo, pois inúmeras plantas necessitam dos insetos ou de animais para a sua reprodução (polinização) ou para a distribuição das sementes. É o que acontece, por exemplo, com a castanheira do Pará, cujas sementes são espalhadas por pacas, cotias, esquilos, macacos pregos e outros animais que levam as sementes para um local distante da árvore para comer, chegando a enterrar algumas para a alimentação em outro dia e, quando esquecem de desenterrar, provocam o nascimento de novas árvores. Dessa forma, numa região onde não haja animais ou insetos em abundância, a produtividade dos cultivos fica prejudicada e muitas árvores das florestas são condenadas à extinção.
 
Julimar Barreto Ferreira *
 
Referência bibliográfica:Cartilha: Campanha de Valorização das Reservas Legais e Matas Ciliares – Como usar, sem destruir, as reservas legais e matas ciliares. RIBEIRO, João Alberto. 2ª edição. Porto Velho, Rondônia – Setembro de 2001. 41p.

 
* Julimar Barreto Ferreira é Promotor de Justiça, especialista em Desenvolvimento Regional Sustentável. 
categories: Julimar Barreto

Sobre

O Grupo Ambientalista Nascentes (GANA) é uma associação civil sem fins lucrativos ou político-partidários.